08 maio 2007

Nero

Em um documentário vi a história de Nero.
Não batia bem o homem.
Certa vez, construiu um teatro e na inauguração adivinha quem era o artista principal, Nero.
Isso era quase que um escandâlo, haja vista artistas serem equiparados à pior classe de Roma.
Nero Claudius Caesar Augustus Germanicus é o seu nome.
Certa vez em uma série de jogos, ele aparece guiando as bicas, espécies de carro que andava com cavalos.
Eram os escravos que faziam isto, ninguem da corte romana faria tal.
Caiu do cavalo, literalmente, mas foi consagrado campeão do dia, quem seria o louco de fazer o contrário.
Ser seu parente, era meio perigoso, relatos dizem que matou sua mãe, sua esposa, e a segunda esposa que estava grávida com um chute na barriga, fora alguns primos, coitados.
Se apaixonou por um escravo romano e mandou seus guardas cortarem os orgãos genitais do rapaz para ele ficar parecendo uma moça.
Mandou atear fogo no centro de Roma, para matar os cristãos, aos quais tinha ódio.
No momento do incêndio, Nero encontrava-se do outro lado da cidade.
Por estas e outras o Senado declarou Nero persona non grata.
Alguns dos generais do exército romano reuniram suas tropas e seguiram a Roma, para tirar Nero do poder, pois ele não estava fornecendo o auxílio necessário às tropas romanas.
Acabou por suicidar-se, perseguido pela guarda pretoriana.
Nero foi o nome de um cachorro que tive, há algum tempo.

Um comentário:

Lou Mello disse...

Por que? Coitado do cachorro. O que ele fez para merecer esse castigo?