30 outubro 2009

Viagens

Viajar é maravilhoso, conhecer novas culturas, novas pessoas, novos lugares.
Tem o lado do cansaço, indisposição e falta de adaptação.
Me lembro que Jesus viajava por entre as cidades circunvizinhas de Jerusálem.
Viagens que demoravam dias e até meses, a pé ou de barco, até o grande destino.
Numas dessas encontrou uma samaritana, pediu água e ela lhe respondeu que ele deveria saber que judeus e samaritanos não se falam.
Dentre as respostas, tais quais de que se ela soubesse quem é que lhe pedira ao invés de oferecer água pediria ao Judeu Galileu água viva e também de que não adorarão em Jerulasém ou Samaria mas sim em espírito e em verdade.
Viajar é preciso, envolve conquistas, meninos saindo de casa e voltando anos depois homens.
Como Miguel Sutil que saiu de Sorocaba, via Bacia Platina, rumo a Cuiabá, para descobrir aquilo que a história relata como a maior descoberta de ouro da história mundial.
Miguel Sutil morreu pobre e esquecido, em Sorocaba, seu corpo anos depois foi cedido a cidade de Cuiabá que concedeu a ele as honrarias in memorian que era de direito.
Jesus morreu crucificado. Não fosse a intervenção divina na morte, tornando-a em vida novamente, estaria esquecido ou com algum túmulo em sua homenagem, talvez.
Tudo na história começa quando alguém, em algum lugar, sai de sua aldeia, e viaja rumo ao desconhecido.

20 outubro 2009

Só o amor

Somente ele nos incentivaria a loucuras, sandices e bizarrices.
Quando amo, não ligo para o perigo, pois o perigo me deixa valente, a ponto de querer isentar o ser amado de qualquer atrocidade.
Só o amor edifica, como diz Paulo, o apóstolo.
Quero me deparar com o amor em qualquer situação da vida, para deixar de me cuidar demasiadamente, afim de amar os próximos a mim, como certo viajante cuidou de um samaritano.
Só o amor às pessoas, a Deus e a si mesmo, seria capaz de tornar-nos seres humanos, no sentido literal do termo.

15 outubro 2009

Memórias Apagadas

Existem muitas situações vividas que não são mencionadas. Sequer pensar nelas é aceitável.

Penso que memórias enterradas evitam constrangimentos e mágoas.

Em meus tenros 25 anos pressinto inúmeros dias incompartilháveis, por mais que em essência tais dias não sejam de todo horripilantes.

Quando me esqueço da dor sentida, da dívida ativa, do tapa levado, da flecha lançada, da palavra dita, da frustração vivida, abro mão do que já passou, para tentar viver de uma maneira melhor, mais saudável e de acordo com a vontade de Deus.

Quero esquecer-me das coisas que para trás ficam, para fundamentar meus passos nos altos caminhos do Senhor meu Deus e Pai de Jesus o Cristo (como está escrito lá).

11 outubro 2009

Reinos e reinos

Os reinos antigos, muitos conquistadores, tampavam buracos incessantemente.
A história nos remete a diversos imperadores que alargavam seus domínios, mas perdiam a vida pela tamanha ganância de mantê-los.
Um homem a beira da morte, chamado de Rabi por uns poucos da Galiléia, Judéia e Samaria, foi questionado por um Governador Romano.
És tu rei? Foi interpelado.
Se meu reino fosse nesse mundo, dizia o moribundo Mestre, meus súditos me acudiriam.
Logo, tu és rei. Concluiu o Governador.
Tu o dizes. Finalizou o messias nazareno.
Em momentos anteriores, este homem, nascido em Belém de Judá, dizia aos seus discípulos que o Reino dEle estava por vir, e os menores aqui, seriam os maiores lá.
Então, interessa-me compartilhar que o Reino desse moço, o filho do homem, não se preocupa em conquistar sarracenos, bárbaros ou pagãos. Tampouco em alargar seus territórios.
Visa sim, conquistar corações, tornar-nos humanos de verdade, afim de converter-nos ao seu Reino de amor e não vingança.

06 outubro 2009

Ato Secreto

Quero aprender a dormir menos, aproveitar mais o dia, a noite, a tarde, etc.

Quero expor mais aquilo que é intrínseco a mim, compartilhando com todos, meus medos, sonhos e valores.

Quando tomo por base a simplicidade para viver, sinto-me compelido a valorizar mais tudo.

Jesus Cristo dizendo que o reino de Deus é semelhante as suas comparações, certa vez disse que não devemos nos preocupar com o que comer ou o que vestir.

Interessante saber que o negócio é descomplicar.

Assim vivo mais, me esforçando por um lado, me esvaziando para que Deus cuide de mim por outro.

Os rabiscos, minutas sujeitas ao crivo divino, estão voltando a permear minha mente e coração.

Finalizando, compartilho uma música de minha infância, que diz que: "eu preciso de você, você precisa de mim, nós precisamos de Cristo, até o fim...sem cessar, sem parar, sem vacilar, sem temer, sem chorar".

04 outubro 2009

Ociosidade

Ser ocioso tem lá suas desvantagens.

Apressado come cru, ocioso geralmente não come.

A igreja primitiva apregoava que quem não trabalhasse, não deveria comer (sabemos hoje não ser assim).

Paulo, o apóstolo, fazia tendas, a fim de não ser pesado aos irmãos.

Jesus, o Messias, não tinha onde reclinar a cabeça, mas na hora de pagar os impostos, sabia pescar o peixe certo.

Ociosos não querem trabalhar, não exercitam a mente e nem se preocupam consigo mesmos.

Claro que temos períodos ociosos, dias da semana, estados de espírito, contudo, o uso exacerbado dessa "preguiça" pode trazer fome e miséria em dias futuros (como diria Salomão).

Nesta semana, que se inicia, vamos juntos procurar agir em produtividade, sem exageros, tendo nosso ócio criativo, conforme Domenico De Masi, para nisso transformar-mos a situação de nossa sociedade, que tanto necessita do ócio, com criatividade e determinação, atribuindo renda ao seu lar e satisfação de suas necessidades.