23 maio 2007

Dor do Amor

O amor e a dor são inseparáveis, acho eu.

Tem estudiosos que classificam a dor como um mecanismo de defesa humano, por certo.

Como saberíamos o limite de algo se a dor não nos acometesse.

Ouvi dizer que a dor ligada ao amor/ relacionamento é pior que as físicas.

Dá um nó no peito, aperta o coração, lagrimas caem, loucuras acontecem. Não é atoa que dissoluções ocorrem, pessoas não administram suas dores de amor e pimba, ta feita a cagada.

Não tenho conhecimento de como essa dor se esvai, de todos que conheço, ainda têm de carregar esse fardo, ainda que com outra pessoa/ companheiro(a).

Também não sou um dos poucos abastados que não possui essa dor para carregar, ainda que pareça tão pesada e difícil, tenho-a em mim.

Existe relacionamento, tem algum tipo de diferença e com ela as dores e cagadas.

Na minha opinião é uma temática tão complicada.

Como "seguidor" (pelo menos pretenso) do Cristo Jesus o Senhor, quero ajudar as pessoas e ao mesmo tempo as vezes vejo que eu mesmo é que preciso de ajuda, paradoxo.

Meu coração se parte quando vejo que poderia fazer mais, mas olho para mim e não consigo tirar o pé do chão.

Talvez eu seja um indigno do evangelho, como Paulo e o próprio Mestre relata em algumas passagens, por não fazer e só falar.

Mas sei que a dor relacionada ao relacionar-se, também é fogo arde sem se ver, e como arde.

Sou novo, eu sei. Tenho muito que aprender e vivenciar, também o sei. E apesar de não acreditar que eu venha chegar a ter a idade do Lou um dia (sempre achei que não viverei muito), creio que em algo Deus poderia utilizar da minha vida/ minhas dores para ajudar algum outro moribundo do amor como eu.

Gostaria eu de sair da teoria, mas talvez eu ainda não tenha argumentos suficientes ou ainda não sofri o suficiente.

Se essa dor o acomete, a dor do relacionamento fracassado, e não saiba o que fazer, faça como eu, clame misericóridia, vai que dá certo.

Se souber como sair dessa, ensine-nos, pois assim como eu, uns tantos outros sofrem deste infortúnio.

Um comentário:

Lou Mello disse...

Ei rapaz que história é essa de não chegar à minha idade. Sou um menino ainda. Você vai ter que viver muito mais do que eu já vivi. Acho que a única resposta à tua indagação, capaz de suportar a dor é aquela sugerida pelo Marcel Proust, mas que Jesus já havia legado à Igreja, ou seja, aproveitar as nossas dores. No mundo terei aflição, mas eu venci o mundo. A dor é o megafone da nossa vitória, como disse o C. S. Lewis. Viva a dor!