27 julho 2008

Por você, faria mil vezes

Não, não é para qualquer pessoa que se diria isto.

Mil vezes mais, somente para pessoas especiais.

Pessoas especiais são as que entram no trem da vida e nele permanecem.

Andar duas milhas com quem te forçou a andar uma, é sinal de amor e compaixão.

Agora, doar sua vida para que o outro, que vive ao seu lado, esteje bem é ágape.

Não saberia amar como Cristo, tampouco como os heróis da fé e da história.

Mas resta a vontade lá do fundo do coração em ser bom.

Se eu não fizer diferença na vida de multidões, pelo menos na vida de uma, gostaria.

Para então poder dizer:

Por você, faria mil vezes!!!!

21 julho 2008

A escolha é tua

Os procedimentos de habilitação para uma vida melhor demandam um currículo mais acurado e com referências.

As regras estabelecidas já são suficientes para habilitar-nos à alegria no Senhor.

Quando não nos encontramos regulares para com as exigências do Divino, devemos analisar e reformar nosso viver para que consigamos viver uma vida reta diante dEle.

Particularmente, pretendo fazer as escolhas certas, dentro daquilo que creio, mediante a fé, que pressupõe a certeza, convicção.

Os caminhos estão postos, o sol nasce para todos, a chuva cai no quintal de todos e todos os dez leprosos foram curados, apesar de só um ter voltado para engrandecer a Deus.

Uma vez que a criação pode escolher o que quer da vida, claro que por intermédio da conveniência e oportunidade, resta-nos lutar e suar a camisa para os objetivos serem cumpridos.

Não, não sou o mais habilitado para o assunto, tampouco me julgo legítimo para tal pretensão, mas creio que se passares por aqui, não seria legal não ler um rabisco dizendo que a escolha é tua e DEUS não interfere em mínimos detalhes, em regra, obviamente.

10 julho 2008

Decepções

Todo decepcionado foi assassinado. Acertaram uma bala no coração de seus ideais; sem o sangue da persistência, só vai adiante por inércia. Amordaçado pelo dever, o decepcionado se vê tangido pelas horas e vive encalacrado pela lógica do “espetáculo que não pode parar”. É um anjo sem asas, caneta sem tinta e de ponta estragada. Sem seiva, joga em estádios vazios e abandona as avenidas para viajar por becos escuros.

Todo decepcionado curou-se de miopia porque só os que amam são doentes dos olhos. Quem ama consegue enxergar o que não existe, acredita em fantasias, ilude-se. Quando o cristalino dos decepcionados é restaurado, eles passam a ver vaidades, detectam sordidez e invejas. As sombras se tornam maiores do que a luz e as maldades, próprias dos humanos, que antes eram despercebidas, ficam nítidas. Os desalentados têm olhos de águia e sempre carregam lupas no bolso.

Ricardo Gondim

01 julho 2008

Lendo

Estou lendo O Caçador de Pipas.

Ainda não assisti ao filme.

Mas tenho me aventurado pelo Afeganistão com Amir e Hassan.

Por agora, eles ganharam o campeonato de inverno.

Muito embora, para obter a vitória, as mãos pinguem sangue pelos cortes que o cerol faz.

E ainda, sem contar ficar de pé o dia inteiro até a última pipa permanecer no ar.

Continua...algum dia...