03 junho 2008

Dos dias

Tantas notícias diárias e tanta necessidade de informação.

No sábado tivemos o dia anti-tabagismo, um ótimo dia para tomar a decisão de parar de fumar.

Domingo é dia de descanso, nos nossos dias contemporâneos.

A segunda, cheia de cansaço, é dia de nos informarmos mais acerca da realidade.

Essa semana comemoramos o aniversário da independencia do Estado de Israel, 60 aninhos.

Como sempre, Israel é o termômetro entre Deus e o mundo onde vivemos.

A paz em Israel, uma vez decretada, nos trará mais problemas que imaginamos, talvez soluções.

Já na terça, por agora, só quero ir para casa, abraçar a caminha que me espera.

Vi uma reportagem sobre o ano de 1968 onde os estudantes da PUC e MACKENZIE no Rio lutavam em uma manifestação conhecida pelos mais de cem mil presentes da passeata nada tranquila.

E o tempo, como disse um zézão, não para.

Um comentário:

Lou Mello disse...

O tempo não para, passa rápido e é implacável. O que não fazemos agora, perdemos a chance de fazer. Depois, nunca será agora. Ontem passou e não voltará, jamais. Só o amanhã virá, mas quando chegar, já será hoje, outra vez.