05 novembro 2014

O corrupto que vive em nós

Diante das eleições, mudanças de governo que virão, ouso dizer, tudo é mais do mesmo.

Não há um justo sequer, já diz as escrituras faz tempo.

A coisa vai se repetir, como disse o Eclesiasta.

Também tem a célebre frase do violeiro, a coisa tá feia e preta, que não for filho de Deus, tá na unha do capeta.

A corrupção, o desvio de verba, etc sempre existiu, e não deixará de existir, já que é um dos elementos do DNA humano, desde o primeiro homem.

Ignorante somos nós, em pensar que um país recém saído da escravatura (120 anos é um pulo, historicamente falando), vai ter mudanças significativas em seu bojo.

O financiamento de campanha é ridículo. Milhões de reais doados.

Se ninguém dá nada de graça. Se todos emprestam a juros. Logo, quem financia campanha, vai cobrar depois.

E como pagar? Através de contratinhos, diziminhos, mensalinhos, nepotismozinhos etc.

Digo eu, não os outros, que o sistema jurídico brasileiro é bom, bem pensado e honestamente falando, sério e justo.

Contudo, existem brechas, que devem ser melhor trabalhadas por todos, inclusive nossos congressistas. Afinal, precisamos nos proteger com leis eficazes, de nós mesmos.

Sem perder o foco em Jesus ouso dizer que isto me importa mais do que deveria, dentro de mim.

O Mestre estava preocupado mais nas vidas que hoje receberiam o fome zero, que nas cúpulas romanas que governavam e desviavam recursos da petroroma.

Não, não tenho a pretensão de mudar o mundo que nem meu Mestre mudou, almejo segui-lo de modo a que as vidas mais carentes possam ser afetadas de algum modo pelo Mestre através de mim.

A questão é, know how? Enquanto só sei perguntar, vou capacitando aqui e acolá na pretensão de abraçar o maior número de conhecimento possível, a fim de não ser pego de calças curtas, situação que não pretendo que aconteça.

A realidade é uma só e a gente vive fugindo dela, somos o tal de ying e yang, parte bom e parte mau, metade honesta e metade desonesta, parte corrupta e outra incorrupta.  E não adianta escapar.



Nenhum comentário: