21 julho 2013

Cantoria

Somos seres afetos a musicalidade. Ela nos atrai, envolve e cerca. A música também é tema terapêutico, chamada musicoterapia acho, pautada historicamente, penso eu, no caso de Saul, então Rei de Israel, que era atormentado por um espírito mau, mas achou no menino Davi um alívio, quando este lhe tocava sua harpa, resultando no alívio do coração com a saída de tal mau espírito lotado no então Monarca (1Samuel 16:23).

 E a música é ligada a dança. É interessante que até uma criança que nunca tenha ouvido uma música sequer, se a ouve pela primeira vez, há de se balançar, como que dançando.

E música com a dança tem as suas mais variadas vertentes, desde a religiosa até a promíscua. Varia de cultura em cultura, contudo, não conheço etnia, país, região, tribo, que não seja ligada a musicalidade.

Diz-se, nas escrituras, que o chefe do setor de música no céu era o anjo Lúcifer, que decaiu com 1/3 dos demais anjos do céu (o vulgo demônio e seus asseclas). Mas também é relatado que Deus gosta da música, tanto que o homem fora criado para adorá-lo, com cânticos e louvores, inclusive.

A música continua tão tentadora que é uma das formas mais disputadas para a obtenção de fama e riquezas, ocasião em que emplacar uma única música na mídia pode mudar a história de vida, socialmente falando, de qualquer família.

O dito popular diz que quem canta os males espanta, verdade que Saul viveu, juntamente com milhares e milhares de pessoas, inclusive eu. Tá certo que nem todas as vezes com a maior das qualidades musicais ou com as letras mais puras e menos promíscuas, mas que espanta, espanta.

Minha oração é para que Deus nos ajude a viver plenamente, louvando-o, até o dia em que E'le nos chamará dessa para melhor.

Nenhum comentário: