21 outubro 2012

Relacionamento ideal

A vida é cheia de fases e com estas as suas respectivas inseguranças.Quando do final da adolescência e início da vida adulta nos deparamos com o desenvolvimento dos hormônios e consequentemente com a vontade de ter um par ideal. E nisso tendemos a experimentar, relacionar-nos, até que alguem nos faça bater o coração mais forte e firmarmos um compromisso. 

Penso que somos seres tendenciosos ao relacionamento, mas não concordo que o somos a bigamia. É certo que nossa parte animalesca, para os que não creem vindo do macaco e para os que creem do pecado que em nós habita, nos tenta a relativizarmos relações e não fincarmos raízes em um amor único, cuja característica principal é a formação de uma família.

Mas Deus em sua infinita sabedoria, para os que creem, ou a evolução da espécie, para os que não, nos tornou seres racionais e como tal formadores de uma única família.

Sócrates (República, Platão) cria que não era bom para a pólis que uma mulher tivesse um único homem, mas que fosse dividida entre os melhores, assim se teria uma raça mais forte e a ausência de laços afetivos de paternidade, o que levaria aos homens amar a todos os filhos indistintamente.

Aristóteles (Politica, Aristóteles) não concordou com tal premissa, entendendo que cada um deveria ter sua própria família, pois com laços familiares tal instituição seria mais forte, fortalecendo a pólis.

É certo que nossa geração, infelizmente, está caminhando para o caos relacional. Somos criados para não nos indispor, aprendemos cedo a não cedermos e que o casamento só vale se for para ser feliz. Ao menor sinal de indisposição, separamo-nos.

Em que pese isso estar imprimido em nossa geração, o que sabemos mas fingimos não o saber é que relacionamentos são parecidos e nem sempre há um melhor que o outro. Vendo uma pregação do Gondim, ele questionou os divorciados, se havia alguem que tinha uma nova relação mais 'quente' que a antiga. Ninguem respondeu, e nem responderia.

Eu, que creio, penso que a mudança só vem pelo convencimento do Espírito Santo de Deus, e que o processo de relacionamento envolve adaptação, mudanças e o saber viver, em relação a todas as fases da vida.

Escritos da Bíblia ensinam que é bom que o homem não viva só e que viver em dupla significa ter alguem para apoio mútuo, pois se um cai, o outro ajuda a levantar.

Jesus, o Cristo de Deus, sobre o tema, disse que aos homens é impossível, mas a Deus todas as coisas são possíveis.

Eu encontrei meu relacionamento ideal, presente de Deus para mim, e quero continuar a construir e manter minha família com a ajuda de Deus. Aconselho aos que não tem, primeiro que busquem similaridade e afinidade com quem quer se relacionar e que, se não crerem que creiam, só um relacionamento a três, não bigamo, mas a três, entre o homem, a mulher e Deus, pode ser motivo de felicidade e a manutenção da família, unida, sem máculas, sem separações, instruída, una, feliz.




Nenhum comentário: