20 outubro 2009

Só o amor

Somente ele nos incentivaria a loucuras, sandices e bizarrices.
Quando amo, não ligo para o perigo, pois o perigo me deixa valente, a ponto de querer isentar o ser amado de qualquer atrocidade.
Só o amor edifica, como diz Paulo, o apóstolo.
Quero me deparar com o amor em qualquer situação da vida, para deixar de me cuidar demasiadamente, afim de amar os próximos a mim, como certo viajante cuidou de um samaritano.
Só o amor às pessoas, a Deus e a si mesmo, seria capaz de tornar-nos seres humanos, no sentido literal do termo.

2 comentários:

Lou Mello disse...

Mas ele requer grandes doses de abnegação.

Djalmir de Barros disse...

A recompensa é o resultado, não daquilo que temos na cabeça e sim no coração.